.
 
 
Leve a dor de estômago a sério
 
+ Saúde
 
     
   

Tamanho da fonte:


11/08/2018

Leve a dor de estômago a sério

Especialista do Hospital Villa-Lobos alerta para os sinais que podem indicar distúrbios mais graves e dá dicas de como evitar doenças digestivas

Problemas gastrointestinais afetam 20% da população mundial, segundo a Organização Mundial de Gastroenterologia. No entanto, sintomas como azia, má digestão, dor de estômago, constipação e diarreia são, muitas vezes, negligenciados pelas pessoas. A lista de doenças relacionadas ao sistema digestivo é grande: gastrite, síndrome do intestino irritável, dispepsia funcional, apendicite, úlceras, pancreatite, distúrbios hepáticos, hemorróidas, doença do refluxo gastroesofágico (DRGE). Porém, a pergunta que fica é: como saber quando aquela sensação incômoda no estômago deve ser investigada?

O endoscopista do Hospital Villa-Lobos, Alexandre de Sousa Carlos, explica: “Perda de peso significativa sem causa aparente, presença de anemia, sangramento nas fezes, dor abdominal que não melhora com analgésicos comuns, icterícia (cor amarelada dos olhos), dificuldade de engolir e vômitos incoercíveis podem sinalizar doenças mais graves”, enumera. Ele ressalta que dores de estômago podem indicar muitos distúrbios, como dispepsia funcional, doença do refluxo gastroesofágico, úlcera gastroduodenal, câncer de estômago, cálculo da vesícula, pancreatite e até doenças cardiovasculares como o infarto do miocárdio.

“O que leva a pensar em doenças mais graves é o alívio apenas parcial do quadro álgico (com dor) e associação com os sintomas de alerta. Assim, são necessários exames complementares para se afastar outras causas orgânicas”, diz o especialista. Segundo ele, alimentos “açucarados”, frituras, álcool e os xenobióticos, tais como conservantes, corantes para alimentos e pesticidas são prejudiciais ao aparelho digestivo e devem ser consumidos com muita cautela. “Uma dieta equilibrada e saudável é o ideal. Tudo em excesso torna-se prejudicial”, explica o médico do Villa-Lobos. Além da alimentação, fatores ambientais, genéticos e emocionais também podem desencadear problemas digestivos.

No caso das mulheres, as estatísticas são robustas: no ano passado um estudo feito pela Federação Brasileira de Gastroenterologia revelou que 67% das mulheres sofrem de distúrbios desse tipo. Constipações intestinais, por exemplo, atingem 26% delas.  A prisão de ventre – como é conhecida - pode ser combatida com a adoção de alguns hábitos, segundo o especialista: ingestão diária e adequada de líquidos, dieta rica em fibras, prática de atividades físicas e controle da ansiedade e estresse. No entanto, o mais importante é ficar de olho nos sintomas e correr para o médico, ele sim vai saber orientar se a dor de estômago necessita ou não de investigações mais detalhadas.


Autor: Cintia Ferreira
Fonte: Ecco Press

Imprimir Enviar link

Solicite aqui um artigo ou algum assunto de seu interesse!

Confira Também as Últimas Notícias abaixo!

 
 
 
 
 
 
 
Facebook
 
     
 
 
 
 
 
Newsletter
 
     
 
Cadastre seu email.
 
 
 
 
Interatividade
 
     
 

                         

 
 
.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - R. Dr. Flores, 263 - Centro Porto Alegre - RS, 90020-120
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 3779.0602