.
 
 
Verão exige cuidados especiais com bebês e crianças
 
+ Saúde
 
     
   

Tamanho da fonte:


11/09/2017

Verão exige cuidados especiais com bebês e crianças

Pediatra alerta sobre exposição ao sol e contato com a areia da praia e o cloro da piscina

O verão exige dos pais cuidados especiais em bebês e crianças. O médico da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Renato Santos Coelho, explica que as medidas são semelhantes, tanto na praia quanto na piscina, por exemplo.

Além do alerta de nunca deixar as crianças sozinhas nestes ambientes, o pediatra explica que o melhor horário para a exposição ao sol deve ocorrer no período da manhã, até as 10h ou no final da tarde, entre 17h e 18h. Ele acrescenta, ainda, que tanto a praia quanto a piscina são ambientes nocivos para os bebês pequenos.

- Pode parecer uma conduta rígida, mas eles não aproveitam nada, pois não sentam e ficam o tempo todo no berço, em um local com vento e sol forte. Além disso, eles não podem usar protetor solar e o guarda-sol não filtra os raios ultravioletas - esclarece Coelho.

Já os bebês maiores devem evitar o contato com o sol forte e usar protetor solar adequado para a idade, repetindo a aplicação após algumas horas de acordo com o fabricante. As crianças que já tomam banho e mergulham devem utilizar sempre boias nos membros superiores e contar com a presença de um adulto.

Os pais devem optar por uma marca confiável de protetor solar. Nas crianças, o tipo indicado é o Kids de fator 30 a 50. O pediatra sugere um teste de tolerância, em uma área pequena da pele da perna. Ele informa ainda que os protetores Kids geralmente fazem uma combinação de protetor químico e físico.

Além dos cuidados com a pele, também é necessário prestar atenção em outros fatores, como o contato com a areia da praia.

- Infelizmente nossas praias costumam ter uma poluição elevada nas altas temporadas. O número de coliformes fecais aumenta e a presença de fungos também. Cuide para a criança não colocar a areia na boca e, quando estiver em casa, um bom banho é o suficiente - explica o pediatra.

Já na piscina, Coelho recomenda que caso seja percebido um forte cheiro de cloro, é necessário tomar um banho de água corrente e evitar a permanência do cloro na pele. Ele indica piscinas que utilizem pouca quantidade do produto ou contem com uma técnica de uso do sal. 


Autor: Francine Malessa
Fonte: Play Press

Imprimir Enviar link

Solicite aqui um artigo ou algum assunto de seu interesse!

Confira Também as Últimas Notícias abaixo!

 
 
 
 
 
 
 
Facebook
 
     
 
 
 
 
 
Newsletter
 
     
 
Cadastre seu email.
 
 
 
 
Interatividade
 
     
 

                         

 
 
.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - R. Dr. Flores, 263 - Centro Porto Alegre - RS, 90020-120
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 3779.0602