.
 
 
Acne na adolescência é comum, mas não deve ser ignorada
 
+ Saúde
 
     
   

Tamanho da fonte:


08/01/2019

Acne na adolescência é comum, mas não deve ser ignorada

Fato de ser frequente na idade, não quer dizer que não deva haver um acompanhamento médico

O rosto cheio de espinhas é quase um símbolo da adolescência, mas nem por isso deve ser deixada de lado a preocupação com a saúde e bem-estar. Além dos aspectos de cuidados com a pele, há uma série de consequências emocionais que podem ser evitadas com acompanhamento médico e tratamento adequados.
A acne vem sendo encarada como uma doença inflamatória crônica e, por isso, precisa de tratamento desde os primórdios da infância e/ou pré-adolescência, até a vida adulta, quando persistente. Esse procedimento é importante para que ela não evolua para manchas e cicatrizes, alterações de manejo mais difícil.
 
- O ideal é iniciar o tratamento precocemente, em geral com medicamento tópico. A primeira sugestão que se dá é para que não encare a alteração no rosto como algo que é natural da idade e que vai melhorar sozinha com o tempo. Em alguns pacientes, há evolução para uma fase que depois se torna mais difícil de manejar - explica a presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia - Secção RS, Clarissa Prati.
 
Os tratamentos quando introduzidos precisam de períodos de adaptação para um melhor aproveitamento e o dermatologista, médico responsável pelo tratamento da acne, sabera orientar o mais adequado para cada caso.
 
- É mito imaginar que todos os tratamentos darão alergia ou que prejudicarão o paciente, no caso de tratamentos sistêmicos. Há uma busca mais séria por associações aos antibióticos para tratar a acne. Eles são importantes, mas se recomenda introdução em conjunto com outras medicações a fim de reduzir a possibilidade de resistência antibacteriana - completou.
 
A terapêutica pode se dar tópicamte (de aplicação direta na pele) ou de forma sistêmica (através da ingestão), além de procedimentos assocados.

O ato de espremer a espinha é altamente combatido pelos médicos, uma vez que aumenta o risco de provocar outras infecções. As bactérias das mãos, podem ser introduzidas nas áreas através do ato de mexer na pele. Além disso, mexer na ferida, acaba provocando manchas e discromias (alterações na coloração da pele) de uma forma geral que depois serão mais difíceis de serem tratadas. 


Autor: Marcelo Matusiak
Fonte: Play Press

Imprimir Enviar link

Solicite aqui um artigo ou algum assunto de seu interesse!

Confira Também as Últimas Notícias abaixo!

 
 
 
 
 
 
 
Facebook
 
     
 
 
 
 
 
Newsletter
 
     
 
Cadastre seu email.
 
 
 
 
Interatividade
 
     
 

                         

 
 
.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - R. Dr. Flores, 263 - Centro Porto Alegre - RS, 90020-120
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: contato@sissaude.com.br. (51) 3779.0602