.
 
 
Carnaval ascende alerta para o uso do preservativo e a prevenção do HPV
 
Notícias
 
     
   

Tamanho da fonte:


14/01/2020

Carnaval ascende alerta para o uso do preservativo e a prevenção do HPV

O mau hábito de não usar camisinha durante a relação sexual é a principal causa do contágio do HPV, vírus que pode causar lesões no corpo e é capaz de desenvolver um câncer

O carnaval é uma eventualidade cheio de surpresas boas. Festas, momentos de lazer, diversão, folia e algumas paqueras. Essas situações são motivo de grande preocupação dos órgãos de saúde E pode trazer uma outra surpresa nada agradável: a contaminação por Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). Em oportunidades como o carnaval AS pessoas acabam se esquecendo da prevenção durante o ato sexual e contraem doenças como o HPV.

Dados do Ministério da Saúde divulgados em dezembro de 2017 certificaram que 54,6% dos jovens brasileiros entre 15 e 25 anos têm prevalência de HPV. Essa estatística foi concluída a partir de um estudo feito com 5.812 mulheres e 1.774 homens, que foram entrevistados e fizeram exames nas 26 capitais e no Distrito Federal.

“O HPV é uma infecção sexualmente transmissível causada pelo Papilomavírus humano. Trata-se de um vírus que atinge a pele e alguns tecidos com a possibilidade de causar verrugas e outros tipos de lesão. O nome HPV é uma sigla em inglês para a palavra Papiloma Virus Humano e existem mais de 200 tipos, sendo que cada um deles pode causar lesões em diferentes partes do corpo. O contágio pode acontecer a partir de uma única exposição e a forma mais comum para a transmissão é a relação sexual”, esclarece a ginecologista Raquel Martins Soares, sócia da clínica Femminile Ginecologia.

Uma das práticas que mais levam ao contágio do HPV é a falta de camisinha durante uma relação sexual. Esse comportamento tão criticado pela comunidade médica é mais comum ao longo do período de carnaval. “Com a chegada do carnaval, as pessoas tendem a esquecer da camisinha. Esse hábito não é nada saudável. Principalmente para as mulheres porque em determinados casos, quando o vírus acomete a mucosa do útero, ele é capaz de provocar até mesmo um câncer de colo de útero”, explica a ginecologista.

Os sintomas vão além das verrugas e podem ser notados tanto na genitália quanto em outras partes do corpo. A aparição pode ter início a partir dos dois primeiros meses após o contágio, mas também pode jamais surgir – o que não torna o vírus inativo no organismo e também não o desqualifica para a contaminação de terceiros. No caso da mulher, uma opção de exame que detecta o vírus é o Papanicolau.

“O Papilomavírus humano é sorrateiro. Em 95%, o paciente está infectado e o vírus não SE manifesta. Mesmo assim, caso essa pessoa infectada tenha relações sexuais sem camisinha, a probabilidade de contaminação é muito grande. Por isso entramos numa série de cuidados preventivos que devem ser respeitados tanto no carnaval quanto em qualquer outra época do ano”, comenta Dra. Raquel.

Além do uso do preservativo, existem outras formas de prevenção. Uma delas é a vacina, que está disponível de forma gratuita no Sistema Único de Saúde (SUS) para meninas de 9 a 14 anos, meninos de 11 a 14 anos, pessoas que vivem com HIV e pessoas transplantadas na faixa etária de 9 a 26 anos. Apesar de ser um método preventivo de combater a doença, a vacina não serve como tratamento e a imunização não impede em totalidade que a ação cancerígena do vírus. Por isso é importante, mesmo com a vacinação, que o paciente continue usando preservativo durante as relações sexuais.

“O HPV não tem cura definitiva. O que podemos fazer é controlá-lo. Já o tratamento depende de alguns fatores como a idade do paciente, o tipo do vírus, a extensão da lesão ou verruga, a localização das mesmas e também do quanto o paciente foi acometido. Podemos recorrer à métodos que envolvem desde ácidos até o tratamento com laser. Se for o caso de um câncer de colo de útero decorrente do HPV, o tratamento é cirúrgico e pode haver a retirada do colo. Em casos mais graves, até mesmo o útero e as estruturas adjacentes podem ser retiradas!, conclui Dra. Raquel.

Vacinação do HPV em jovens mineiros

Em Minas Gerais, o HPV já é diagnosticado como um problema logo ao analisar os gráficos de vacinação. Segundo informações de um boletim da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG) divulgado em dezembro de 2017, a meta é de que 80% das meninas entre 9 e 15 anos sejam vacinadas contra a doença, porém, a média de vacinação é de apenas 54,29% do público. Por outro lado, o quadro é ainda mais complicado para os meninos. A meta da SES/MG também é de 80%, mas apenas 26,95% do público está vacinado. 


Autor: Redação
Fonte: Naves Coelho Comunicação
Autor da Foto: Freepik

Imprimir Enviar link

Solicite aqui um artigo ou algum assunto de seu interesse!

Confira Também as Últimas Notícias abaixo!

 
 
 
 
 
 
 
Facebook
 
     
 
 
 
 
 
Newsletter
 
     
 
Cadastre seu email.
 
 
 
 
Interatividade
 
     
 

                         

 
 
.

SIS.SAÚDE - Sistema de Informação em Saúde - Brasil - R. Dr. Flores, 263 - cj 1101- Centro Porto Alegre - RS, 90020-120
O SIS.Saúde tem o propósito de prestar informações em saúde, não é um hospital ou clínica.
Não atendemos pacientes e não fornecemos tratamentos.
Administração do site e-mail: mappel@sissaude.com.br. (51) 2160-6581